segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Namora uma mulher que lê


"Namora uma mulher que lê. Namora uma mulher que gaste o dinheiro dela mais em livros do que em roupas. Ok, ela se perde um pouco na arrumação da casa, mas é porque tem livros demais. Namora uma moça que tenha uma lista de livros pra ler, que tenha uma carteirinha da biblioteca desde a primeira infância.

Encontra uma mulher que lê. Vais saber que é ela, porque anda sempre com um livro dentro da bolsa. É aquela que percorre amorosamente as estantes da livraria, aquela que dá um gritinho surdo ao encontrar o livro procurado. Vês aquela moça com ar estranho, cheirando as páginas de um livro velho, numa loja de livros de segunda mão? É a leitora. Para ela, o cheiro das páginas, sobretudo quando ficam amarelas, é perfume!

Ela é a garota que lê enquanto espera no café ao fundo da rua. Se espreitares a xícara, percebes que o calor já se foi, perdidos, os dois, ela e o café, em um mundo feito pelo autor. Senta. Admira-a de relance, porque a maior parte das mulheres que lêem não gostam de ser interrompidas. Oferece-lhe outra xícara de café.

Diz-lhe o que realmente pensas do Murakami. Descobre se ela foi além do primeiro capítulo da Irmandade. Pergunta-lhe se gosta de Clarice. Ou se gostaria de ser Alice.

É fácil namorar uma moça que lê. No seu aniversário, no Natal e em datas especiais, dê-lhe livros. Ofereça-lhe palavras como presente, em poemas, em canções. Ofereça-lhe Neruda, Pound, Sexton, cummings. Deixa-a saber que tu percebes que as palavras são amor. Que sabes a diferença entre os livros e a realidade.

Minta. Uma vez, duas, deslavadamente. Se ela compreender a sintaxe, vai perceber a tua necessidade de mentir. Atrás das palavras existem outras coisas: motivação, valor, nuance, diálogo. Nunca será o fim do mundo.

Trate de desiludi-la. Porque uma mulher que lê compreende que o fracasso conduz sempre ao clímax. E que todas as coisas chegam ao fim. Que sempre há a possibilidade de se escrever uma sequência. Que pode-se começar outra vez e outra vez e continuar a ser o herói. Que na vida é suposto existir um vilão ou dois.

Temes que ela descubra tudo o que não és? As mulheres que lêem sabem que as pessoas, tal como as personagens, evoluem [exceto na saga Crepúsculo]. E quando a vires acordada às duas da manhã, chorando, com um livro contra o peito, envolva-a com um abraço. Prepara-lhe um chá. Podes perdê-la por uma ou duas horas, mas ela volta para ti.

Quando menos perceberes, já está: alugas um balão de ar quente e te declaras. Ou durante um concerto de rock. Ou, casualmente, na próxima vez que ela estiver doente, pelo skype. Vais sorrir tanto que te perguntarás por que é que o teu coração ainda não explodiu e espalhou sangue por todo o peito. Juntos, vão escrever a história das suas vidas, terão crianças com nomes estranhos e gostos ainda mais estranhos. Ela vai apresentar aos seus filhos o Gato de Botas e Aslam - talvez no mesmo dia. Vão atravessar juntos os invernos da velhice e ela recitará Keats, num sussurro, enquanto tu sacodes a neve das botas.

Namora uma mulher que lê, porque tu mereces. Mereces uma mulher que te pode dar a vida mais colorida que consegues imaginar. A não ser que prefiras a monotonia, horas requentadas, propostas meia-boca... Mas se queres o mundo e os mundos que estão para além do mundo, então, namora uma mulher que lê.

Ou, melhor ainda, namora uma mulher que escreve."



*






* do original Date a girl who reads, de Rosemary Urquico [adaptado da versão portuguesa "Namora uma Rapariga que Lê"]. ** e gata, não seja assim tão literal: se seus olhos conduzem-na biblicamente para meninos, ótimo! não se reprima! namora um homem que lê. ou, melhor ainda, um que escreva.

19 comentários:

  1. Que texto mais meigo!! Gostei muito!

    ResponderExcluir
  2. Demais esse texto, viu, Luciene.
    Delirei. E, sem dúvida alguma, fez meu dia melhor.

    Beijos, alegrias e poesias,

    Daniel Rubens Prado.

    ResponderExcluir
  3. Sim, que é sempre bom estar perto das pessoas que leem, há sempre algo de novo a acrescentar, alguma coisa interessante a falar, um livro imperdível à título de recomendação.

    Um grande aperto a você, por este texto inspirado!

    Beijos,
    Maza

    ResponderExcluir
  4. Que simplicidade apaixonante. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Namora uma mulher que lê ou, melhor ainda, namora uma mulher que escreve e que não se esquece de colocar as aspas de abertura em uma citação... Abraços! :)

    ResponderExcluir
  6. É legal ler e lembrar de gente que a gente ama. Esse texto me fez lembrar tantas conversas com meninas lindas de tanto gostar de ler.

    Vale a pena ser seguido um blog desses.

    Bjs, Luciene!

    ResponderExcluir
  7. Parabéns, Luciene! Li e já estou seguindo o blog ;)

    ResponderExcluir
  8. É preciso coragem, mas vale a pena!

    ResponderExcluir
  9. Lindo demais, perfeito, ascendente, completo... pesado, leve e macio... acalentador!!!

    ResponderExcluir
  10. Lindo este texto, se encaixa perfeitamente com Patrícia Vasconcellos.

    ResponderExcluir